• Open Hours: Mon - Fri 09.00 - 16.00
  • Call Us : +267 390 0204

PR inaugura fábrica de produtos à base de carne

Presidente João Lourenço encoraja produção de alimentos

O Presidente da República, João Lourenço, encorajou, nesta quinta-feira (17.02.2022), os empresários angolanos e estrangeiros a manterem a aposta na produção de alimentos no país, tendo em vista contrapor os altos custos de importação dos mesmos.

Ao falar após a inauguração de uma Fábrica de Produtos a Base de Carne, denominada “Quinta de Jugais”, sublinhou que os empresários que investem no país devem também apostar na produção agrícola e com isso potenciar a produção industrial.

Para João Lourenço é preciso que haja correspondência entre o que se produz no campo e o que se transforma na indústria.

Alertou que as unidades como a recém inaugurada só sobrevivem se tiverem o produto localmente para transformar, caso contrário vai continuar a importar ou falir.

Gado proveniente do Tchad

O Presidente da República afirmou que o processo de recepção do gado proveniente do Tchad vai continuar, mas em outras condições.

“Tão logo o sector da agricultura diga que é chegado o momento para retomar, o processo vai continuar”, esclareceu.

Angola recebeu do Tchad, desde Dezembro de 2020  a Junho de 2021, cerca de mil e 900 cabeças de gado bovino.

Apesar de grande parte dos animais terem morrido, no Planalto de Camabatela, província do Cuanza Norte, o Chefe de Estado negou que as causas tenham sido  falta de adaptação ao clima e ao terreno.

Disse que o “gado africano” tem muito maior probabilidade de sobreviver em Angola e o que aconteceu, talvez, foi que os beneficiados não estavam, na altura, suficientemente preparados para receber os animais.

Referiu que Angola precisa de fazer o repovoamento pecuário, especificamente do gado bovino e tornar o país auto-suficiente na produção de carnes.

Indústria do Curtume

Por último,  apelou  aos investidores privados, nacionais e estrangeiros, a começarem a pensar na indústria do curtume, pois no gado deve-se aproveitar tudo.

“Estamos  a desperdiçar as peles desses animais o que é mau para o meio ambiente e se perde um recurso importante” , concluiu. 

Localizada na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo, em Viana, arredores de capital angolana, a unidade  tem como objectivo a produção de charcutaria, com base na transformação de carne suína e de aves.

Numa primeira fase a fábrica, de direito angolano, vai produzir para colmatar a disponibilidade de consumo desta categoria de produtos por parte dos consumidores do mercado angolano, actualmente suprida, em grande parte, pelo recurso à importação.

Com capacidade instalada de processamento de carnes de 800 toneladas por mês, a unidade vai apostar, numa fase posterior, na exportação dos seus produtos para os países vizinhos.

 

Fonte: Angop